terça-feira, 6 de outubro de 2009

OS CRISTÃOS E A POLÍTICA

Temos presenciado nos últimos anos uma entrada relativamente considerável de evangélicos na política seja nacional estadual ou municipal. Enquanto para alguns cristãos[1], participar das instâncias de poder na Terra poderia parecer uma materialização forçada de algumas promessas divinas, para alguns outros, ter acesso a essas instância é um imperativo atual, considerando-se que todos os demais grupos estão representados nas câmaras municipais, assembléias ou mesmo no congresso federal. Há ainda aqueles que relacionam diretamente a política ao mal, como se essa esfera de ação humana fosse algo totalmente pertencente a Satanás, sendo impossível ao cristão inserir-se na política sem perder a sua salvação. Um último grupo de pessoas considera que a política é para o cristão uma forma bem mais ampliada de se fazer o bem e a justiça no mundo.[2] Mas afinal, como os cristãos devem considerar a política?
 
Em primeiro lugar é importante aceitarmos que o fato de a Bíblia dizer que “a nossa cidade está nos céus” (Fp 3.20) não justifica que abdiquemos de nossa cidadania terrena, embora nesse ponto realmente pequem aqueles que vêem na detenção de poderes terrenos a materialização da promessa divina de herdar a terra (Mt 5.5; Sl 37.9). Ainda que o Senhor nos conceda o acesso a poderes terrenos devemos considerar a transitoriedade desse poder e os males relacionados a ele e, assim como Paulo, acreditar realmente que “a nossa cidade está nos céus” (Fp. 3.20).

 
Em relação ao segundo grupo de cristãos, que considera a necessidade da representação política num país marcadamente plural, como é o caso do Brasil, podemos afirmar que esses cristãos realmente têm razão quando afirmam isso. Precisamos de cristãos que defendam leis justas e que combatam leis que contrariem a vontade de Deus em todas as esferas decisórias de poder político. A questão é se realmente a intenção dos cristãos em se fazerem representar está fundamentada na necessidade de leis justas e do exercício da justiça social num país marcadamente desigual como o Brasil.

 
Ainda sobre os que consideram a política como uma esfera de poder exclusivamente sob o domínio de Satanás, não cabendo ao cristão inserir-se nela, afirmo que tal visão é absurda e só contribui para a desgraça do mundo. Contrariamente a essa postura a Escritura nos garante que “quando os justos se engrandecem, o povo se alegra, mas, quando o ímpio domina, o povo suspira” (Pv. 29.2; 11.10; 28.12). Devemos entender aqui que a Bíblia se refere ao governo dos justos em contraposição ao governo dos ímpios. A última posição – que afirma que a política é uma forma bem mais ampliada de se amar o próximo – será considerado mais adiante no decorrer do texto.

 
Cumpre assinalarmos, neste momento, que a mera chegada dos cristãos ao poder talvez ou certamente não mudaria em muito as coisas. Nancey Pearcey, ao mesmo tempo em que fala da crescente politização dos cristãos no seu país, ocorrida nos últimos anos, lamenta o fato de que os resultados não são muito satisfatórios, pois segundo ela “a política tende a espelhar a cultura e não o contrário”.[3] O que a escritora quer dizer é que muito do que acontece hoje no mundo, inclusive no meio político, não é resultado do fato de os governantes serem ou não cristãos. E é exatamente neste momento em que devemos questionar sobre os motivos que estão levando nossos irmãos em Cristo a concorrerem a cargos públicos. Seria apenas o desejo do poder em si mesmo? Ou estaríamos apenas inquietos pelo fato de que somente os outros grupos estariam tendo acesso às instâncias de poder? Por acaso estamos enciumados por não podermos participar da indicação, ao lado dos demais grupos, de cargos de alto ou segundo escalão ou por não estarmos tendo participação na distribuição ou interceptação de verbas públicas? Estaríamos meramente almejando os postos de coronéis regionais ocupados, muitas vezes, apenas por católicos, maçônicos ou outros grupos-não cristãos? Essas questões são pertinentes porque, conforme mencionou a autora, a política tem o modo de ser ditado pela cultura. Noutras palavras, as regras políticas em sua quase totalidade destoam dos princípios bíblicos de amor, justiça, honestidade e humanização dos povos, ou seja, não é a Escritura o substrato teórico e prático do mundo da política, mas o são exatamente os princípios filosóficos ateístas, dentre os quais podemos destacar o pragmatismo, o qual ensina que não há um “certo” ou um “errado” senão do ponto de vista prático.[4] É neste sentido que Pearcey afirma que a politização dos cristãos nos últimos anos fracassou. Isto é, os cristãos lutam pelo poder mas utilizam as mesmas armas para tanto, e, uma vez no poder, assimilam a mesma cultura política fundamentada em pressupostos antibíblicos que não contribuem para a anunciação do evangelho, muito menos para o bem da sociedade.

 
A partir da reflexão feita sobre o texto de Pearcey percebemos que precisamos de política, de fazer política e estarmos inseridos na política. O que deve mudar, entretanto, é a nossa visão sobre a política. Não devemos vê-la apenas enquanto espaço de disputas com os não-cristãos ou não-evangélicos, muito menos utilizá-la como forma de enriquecimento próprio ou de favorecimento de alguns grupos em detrimento de outros. Devemos utilizá-la para implantar a justiça entre os homens, anunciando, assim o evangelho de Cristo e, conseqüentemente, transformar a cultura. Sob esta ótica percebemos que não é nem mesmo necessário concorrer a cargos eletivos para cumprir com estes objetivos, embora ascender a postos políticos em muito contribua para tanto.

 
Utilizemos três exemplos para ratificar a idéia de que é possível fazer política justa tanto no exercício de cargo político como fora dele. Comecemos por Daniel. O profeta demonstrou que no exercício de um alto cargo político é possível anunciar o reino de Deus. Mas para isso ele não precisou de atitudes desonestas para ser escolhido para o cargo, nem participar da mesa idólatra e corrupta dos outros poderosos para se manter no poder (cf. Dn 2.48; 6.1 e 2; cap. 5). Agora perguntemo-nos: que métodos de campanha nossos candidatos cristãos utilizam? Estariam eles, a exemplo de como fazem os não-cristãos, por ocasião da realização de campanhas eleitorais, burlando as leis e comprando votos, fazendo promessas desonestas e enganadoras com o fim de arregimentar votos de pessoas simples e necessitadas de políticas públicas justas? E uma vez no poder, será que exercem a justiça, embora o fruto de tal virtude ou princípio não lhe agrade ou ameace sua permanência? Ou será que fazem parte de conluios que não têm em vista outro objetivo senão o enriquecimento próprio em detrimento do pão do pobre e do necessitado? Será que estão comprando o pobre por dinheiro e os necessitados por um par de sapatos (Am 8.6)? Estariam decretando leis injustas “para prejudicarem os pobres em juízo, e para arrebatarem o direito dos aflitos do meu povo...?” (Is 10.1 e 2). Infelizmente esse quadro é bem conhecido de nós, evangélicos, pois muitos dos nossos irmãos agem assim tanto no período de campanha eleitoral como depois de chegarem ao poder. E uma outra pergunta seria: é certo, do ponto de vista bíblico agir assim? Certamente que não. Mas os que assim fazem dirão: é possível chegar no poder e lá se manter de outra forma? Digamos que se Deus concedeu a José e a Daniel chegarem lá vivendo piamente e lá permanecerem sob a mesma piedade Ele nos ajudará a chegarmos lá também, se piamente agirmos nas campanhas eleitorais e no exercício do mandato.

 
Vejamos agora exemplos de como podemos ser políticos ou fazer política mesmo sem dispor de um cargo público. Tomemos o exemplo de Jó ou o exemplo dos primeiros cristãos, que viviam sob o cruel império romano dos primeiros séculos da era cristã. A Bíblia não diz que Jó dispunha de cargos políticos. Mas diz que ele “livrava o miserável, que clamava, como também o órfão que não tinha quem o socorresse” (Jó 29. 12). Diz ainda que Jó cobria-se de justiça e ela lhe era por veste (v. 14); que ele “era o olho do cego e os pés do coxo; dos necessitados era pai e as causas de que não tinha conhecimento inquiria com diligência; e quebrava os queixais do perverso e dos seus dentes tirava a presa” (v. 15-17). Ora, e isso não é fazer política, se considerarmos que agir politicamente envolve inclusive o embate com os poderes públicos na busca de justiça social para os pobres e necessitados? É impressionante como nunca somos ensinados nas igrejas a agirmos da mesma maneira que Jó. Observemos novamente o seu exemplo. Jó não estava apenas envolvido em atitudes de auxílio àqueles que por condições físicas ou sociais encontravam-se em situações difíceis. O patriarca de Uz algumas vezes precisava enfrentar os poderosos para poder resolver certas causas dos menos favorecidos. Para tanto, primeiramente Jó tomava conhecimento das situações opressivas para, em seguida, procurar resolvê-las. Dennis McNutt nos adverte que “o evangelho nos exige uma espiritualidade pessoal e pública”.[5] E na condição de “cristãos preocupados com a esfera pública, não devemos nos conformar só com atos individuais de decência e caridade para com o próximo”.[6] Precisamos, pois, mesmo na condição de cidadãos comuns, lutar por melhores condições coletivas de vida.

 
Mas vejamos ainda algo sobre os primeiros cristãos, conforme adiantamos acima. Em primeiro lugar lembremo-nos de que o modo de vida dos cristãos primitivos era eminentemente comunitário (cf. At. 2.42-47). Relutamos em aceitar isso como válido para os nossos dias, caracterizados que são pelo clima de individualismo que desde o surgimento da era moderna nos despiu de qualquer vestígio de comunitarismo. Entretanto esta atitude comunitária e altruísta viria a impressionar o império romano fazendo-o, inclusive, a também praticar o bem. Eduardo HOORNAERT, historiador, chega mesmo a, equivocadamente, atribuir a sobrevivência do cristianismo em pleno império romano ao seu modo de viver comunitário e altruísta. Sabemos, entretanto, que a sobrevivência do cristianismo é um projeto de Deus, embora isto não nos exima de viver de forma genuinamente cristã, isto é, amando em palavras, em atos e em verdade. O historiador, pois, observa que, naquela época os cristãos se davam mutuamente apoio moral, por ocasião de interrogatórios diante das autoridades romanas, visitavam os presos, prestavam assistência psicológica aos desesperados, alimentavam órfãos e viúvas, eram hospedeiros, criavam caixas de ajuda para momentos de urgência. Segundo ainda o autor, estas práticas continuaram ainda nos séculos subseqüentes ao século III, a ponto de o imperador Juliano, que tentou reprimir o cristianismo num império já oficialmente cristianizado, recomendar as autoridades locais que criassem “centros de assistência social e hospedagem como um dique contra a avassaladora penetração do cristianismo em meios populares”.[7]

 
Os exemplos dos primeiros cristãos, alistados acima, demonstram atitudes de altruísmo que transcendem o nível das ações individuais. Eles agiam em prol não de indivíduos isolados, mas em favor das comunidades inteiras, beneficiando, inclusive os próprios romanos. Agir coletivamente ou tendo em vista o bem coletivo é agir politicamente. Podemos, portanto, ser políticos e fazer política mesmo sem exercermos cargos políticos. O impressionante é que quando os cristãos fazem o bem os não-cristãos também são impulsionados a fazê-lo, embora muitas vezes o façam com outras intenções, como é o caso referido acima do imperador Juliano. Podemos inferir desses exemplos, pois, que quando agimos de forma cristã na política o evangelho é anunciado e é produzida uma contracultura cristã.

 
Agora nos questionemos: como é que temos agido em nossas comunidades? Temos considerado os problemas sociais como algo de nossa responsabilidade ou acreditamos que o chamado de Cristo não tem nada a ver com isso? Pensemos agora na política partidária propriamente dita: de que forma temos considerado a responsabilidade do voto? Minhas escolhas têm levado em consideração o bem da coletividade ou tenho buscado os meus próprios interesses? E finalmente: tenho evangelizado alguém através do modo como considero as minhas responsabilidades diante dos problemas da comunidade? Minhas atitudes têm feito as pessoas blasfemarem de Cristo ou elas têm sido impulsionadas a fazerem o bem e louvar a Deus?

 
É... política é muito mais do que tudo aquilo que temos considerado até aqui. Então, a título de conclusão é melhor aprendermos que ser cristão é seguir a Cristo em qualquer situação ou aspecto da vida cotidiana, inclusive na política. Precisamos abdicar da falsa crença de que “o cristianismo é restrito a uma área especializada de crença religiosa e devoção pessoal” [8] e começarmos a agir cristãmente diante do mundo. E a propósito do tema, é melhor começarmos pela política.

 
Francisco Sulo
Esperantina, 30 de setembro de 2009.
[1] O termo cristão, utilizado por mim neste texto, refere-se especificamente à nação evangélica.
[2] Cf. Dennis MCNUTT. Política para Cristãos (e outros pecadores). In: Michael PALMER (ed.). Panorama do Pensamento Cristão. 1ª edição. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.
[3] Nancy PEARCEY. Verdade Absoluta. 1ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, p. 20.
[4] Cf. William JAMES. Pragmatismo. São Paulo: Martin Claret, 2005. O grande pragmatista americano, William James, ao tratar da sua doutrina, disse: “Estou bem certo de quão singular deve parecer a alguns dos presentes escutar-me dizer que uma idéia é verdadeira na medida em que acreditar nela é proveitoso para nossas vidas” (p. 38).
[5] Dennis MCNUTT. Ibidem, p. 432.
[6] Idem, ibidem, p. 433.
[7] Cf. Eduardo HOORNAERT. As Comunidades Cristãs dos Primeiros séculos. in: Jaime PINSKY e Carla B. PINSKY. História da Cidadania. São Paulo: Cortez, p. 90 e 92.
[8] Nancy PEARCEY. Ibidem, p. 21.

4 comentários:

Pastor Geremias Couto disse...

Parabéns pelo texto. Consistente, bem escrito e bem argumentado. Já estou seguindo o seu blog. Quanto a revista, passarei a sugestão à CPAD.

Abraços em Cristo

Eduardo Lima disse...

me adiciona no seu blog www.edulimasonhador.blogspot.com

DELIEL BARBOSA disse...

MENE, MENE, TEQEL UFARSIM...
bom meu amigo sulo, em relação a seu comentario sobre o pastor pedro lima santos deputado estadual até o final do ano (graça a Deus, ACHO QUE A DERROTA NAS URNAS NO DIA 3 PASSADO, NAO FOI UMA RESPOSTA DOS IRMAOS, ACHO QUE FOI A RESPOSTA DE DEUS, REPROVANDO A SUA ADMINISTRAÇÃO POLITICA,POIS SE É SABIDO POR TODOS QUE O SISTEMA POLITCO DA NOSSA CONVENÇÃO É UM SISTEMA DITATORIAL, OU SEJA: O PASTOR VOTA, OU É TRASFERIDO OU É RETALHADO PELA 4° AREA; COMO ESCREVI NO PRELUDIO DESTE TEXTO: PESADO FOSTE NA BALANÇA E FOSTE ACHO EM FALTA!!!

www.obrasiltemjeitosim.blogspot.com disse...

para aqueles que dizem que politica não é coisa de cristão vai a pergunta.quem melhor do que quem ama o proximo para administrar o que é dos proxmos.a questão é que politicos mal intencionados usam as religiões somente para ganhar os votos de seus membros e não para fazer a divisão justa.